Loading...

ILHA DAS FLORES (Documentário)

Não há dúvida de que raras vezes um curta-metragem trouxe tanto entusiasmo junto ao público e à crítica, quanto este curta do ga...


Não há dúvida de que raras vezes um curta-metragem trouxe tanto entusiasmo junto ao público e à crítica, quanto este curta do gaúcho Jorge Furtado, que, merecidamente, ficou com nada menos que nove "Kikitos" na 17ª edição do Festival do Cinema Brasileiro de Gramado. 

A sinopse de "Ilha das Flores", nada dizia, colocando apenas uma série de perguntas: 'Qual a produção mundial de tomates? Como se mede um segundo? Qual a verdadeira queda do Império Romano? Como se fabricam perfumes?', etc. 

Assim, nem mesmo os mais próximos colaboradores de Jorge Furtado e de seus associados na Casa de Cinema - uma espécie de cooperativa que reúne quatro produtoras gaúchas - sabiam dizer exatamente do que o filme tratava. Ana Maria Azevedo, que com ele realizou "Barbosa" (curta também premiado em Gramado), dizia, imodestamente: - "É difícil explicar o filme de uma forma linear".


Realmente, o impacto está na forma com que Furtado construiu o roteiro e, especialmente, na montagem de Giba Assis Brasil. 

Numa criação dialética - na qual seu realizador não esconde uma clara influência marxista - o filme expõe um raciocínio sobre os meios de produção capitalista, com relação a alimentação: a trajetória de um tomate que, por estar estragado, não serve a quem o comprou, é desprezado para alimentação dos porcos mas é disputado pelos que buscam comida nos depósitos de lixo da "Ilha das Flores" - uma das três ilhas (as outras duas são dos Marinheiros e do Pavão) que, no Rio Guaíba, são usadas para depósitos de lixo - e na qual há criações de porcos (alimentados com lixo). Ali, milhares de pessoas buscam também alimentos.

"Ilha das Flores"

Longe de ficar num documentário formal e esquerdizante, Furtado construiu um filme originalíssimo e que em 90% de suas sequências provoca o riso. Um bom humor inteligentemente desenvolvido através de imagens fixas (num trabalho de pesquisa, com material iconográfico de diferentes origens) e animadas, que ganhou a perfeição com a montagem precisa de Assis Brasil. O público ri bastante, acompanha o desenvolvimento dialético com que Jorge Furtado mostra as relações entre o capital e o trabalho, mas que, no final, atinge o público com imagens das mais fortes: seres humanos buscando um tomate que nem para alimentar os porcos serviu. 

"Ilha das Flores" é como a sensação de acariciar e provocar cócegas no corpo de uma pessoa e, de repente, quando este está com todas as defesas naturais abertas, lhe aplicar um violento soco nos órgãos genitais. É um grito de dor e horror no final - pela verdade que traz em suas imagens. Assim, não há ninguém capaz de resistir ao impacto que este curta provoca. Claro que há os que podem discordar da forma narrativa e mesmo do fato de fazer uma abordagem de um drama tão terrível de nossa realidade utilizando o humor. Entretanto, ninguém pode negar a inteligência, a competência e criatividade com que o filme foi desenvolvido. 

(Adaptado de artigo de Aramis Millarch originalmente publicado em 21 de junho de 1989 no Estado do Paraná, Página 3. Extraído de Tabloide Digital).

Assista ao filme e depois nos deixe um comentário!


Reações: 
Vídeos 3846445703660943752

Postar um comentário

Página inicial item

Publicidade

Lista VIP

Popular Posts

Random Posts

Flickr Photo